sábado, 2 de abril de 2016

E aí eu quis um filho...



Bom vou contar resumidamente um pouquinho da minha vida até ser mãe. Me casei em julho 2007 com 20 anos depois de quase cinco anos de namoro e pra mim foi a realização de um sonho, afinal o meu marido é o homem que sempre sonhei e em cada postagem vou falar um pouquinho da participação dele com o Miguel e vocês vão ver que tenho razão, mas voltando ao assunto, assim que nos casamos resolvemos que teríamos o nosso primeiro filho depois de 5 anos de casamento até lá pretendíamos conseguir a casa própria, o carro, a estabilidade pra depois então termos o primeiro filho. Mas, em novembro de 2009 eu acordei em uma madrugada com uma dor quase insuportável (que depois fiquei sabendo que era contrações) e ao me levantar eu desmaiei. Passei todo o restante da madrugada com dores e sempre que eu me levantava eu desmaiava. Ao amanhecer o meu marido chamou o SAMU e ao me buscarem em casa disseram que era estresse emocional afinal eu estava trabalhando muito mas que poderia ser gravidez.

Não me animei com a noticia porque sabia que se fosse gravidez alguma coisa estaria errada,

 fui levada a um posto de saúde e ao médico ao me examinar disse que provavelmente seria uma gravidez ectópica (bebê sendo gerado fora do útero). Fui encaminhada para um hospital da cidade por volta das 11:00hrs mas o médico nem me  examinou, eu ainda tendo contrações fortíssimas, perto das 17:00hrs fizeram um ultrassom em mim e apesar de confirmar que era uma gravidez ectópica, o bebê estava sendo gerado na trompa que tinha rompido na madrugada e desde então eu estava com uma hemorragia interna e por isso não conseguiram ver muita coisa, porque tinha muito sangue dentro de mim. Apesar de eu estar correndo risco de uma septicemia e parada cardíaca, ainda fui transferida par um outro hospital que tinha UTI disponível e por volta das 20:00hrs fui para a sala de cirurgia as pressas. Foi retirada a  minha trompa direita e a recuperação foi muito delicada, porque a cirurgia foi muito delicada, mas graças a Deus eu fiquei muito bem porque Deus me de uma nova chance de vida. MAS, na vida sempre tem os "mas",depois de tudo isso o meu ginecologista me disse que seria difícil uma nova gravidez, que minhas chances que já não era muitas por eu ter o Útero invertido agora era menor ainda só com uma trompa, e vocês nem imaginam o que aconteceu, eu passei a querer desesperadamente um filho. E aí eu queria um filho quando os médicos e todos diziam que seria difícil eu engravidar. Fui aconselhada  a evitar uma nova gestação por 6 meses e depois disso poderia começar a tentar. E foi o  que eu fiz, evitei por 6 meses e depois de 2 meses tentando, no total depois de 8 meses da minha primeira gravidez eu fiquei grávida do Miguel...

0 comentários:

Postar um comentário