quarta-feira, 6 de abril de 2016

O que é Autismo?


Aí você sai do consultório da neuropediatra com aquela frase que fica martelando em sua cabeça: "Seu filho é autista". Pra dizer a verdade, eu não ouvi exatamente isso, passamos pela primeira consulta e fomos  encaminhados para as terapias e diziam que o Miguel tinha características do espectro autista, mas  as evidências iam aumentando até pegarmos o laudo. Mas o que é AUTISMO? Imagino que a maioria dos pais quando tem o diagnostico correm pra internet, eu não sabia nada sobre o autismo e até hoje tudo é muito novo, vamos aprendendo com o tempo. Ainda mais porque sabemos que não existem 2 autistas iguais, todos tem suas particularidades, mas vou tentar falar um pouquinho do que aprendi que é.

O que é?

Miguel Lorenzo participando da caminhada de
 conscientização ao Autismo - Abril de 2015
No dicionário tem uma simples e incompleta definição, já pesquisaram? Pois é eu já, e achei essa definição na versão Aurélio : Autismo - "Estado mental caracterizado pela tendência a alhear-se do mundo exterior e ensimesmar-se

Pois é, diz isso e só isso, na prática é bem mais que isso né. Em muitas pesquisas que fiz a definição de autismo é a seguinte: um distúrbio neurológico caracterizado por um comprometimento da interação social, comunicação verbal e não- verbal e comportamento restrito e repetitivo, ou seja, é uma desordem complexas do desenvolvimento do cérebro que se caracterizam pelas dificuldades na comunicação social e verbal além de apresentarem comportamentos repetitivos. Pode estar associado a deficiência intelectual ou dificuldades na coordenação motoro e atenção, a hiperatividade e dislexia e dispraxia. O autismo afeta o processamento de informação do cérebro, alterando a forma como as células nervosas e suas sinapses se conectam e se organizam, como isso ocorre ainda não é bem compreendido. A condição é permanente, uma criança que nasce autista vai ser um adulto autista, porém a intervenção precoce aumenta a qualidade de vida e pode amenizar algumas características. O autismo é classificado em leve, moderado e severo.

Causas

Vou começar com "Pois é" de novo.... Pois é... As causas ainda são desconhecidas, mas os estudos por cientistas são intensos, isso faz com que inúmeras falas causas apareçam mas todas sem comprovação. Já se falaram que a cesária marcada seria uma das causas, mas depois descartaram, disseram que vacinas contém mercúrio e elas seriam a grande causas, foi descartado também, a pior das hipóteses foi a tal da "mãe geladeira" e essa chega a causar raiva em mães de autista ao ouvirem, porque ela diz que a causa seria mães que não desejavam essas crianças e por isso não lhes dava a devida atenção, em resumo seria a mãe que deixa a criança de lado. Isso pra mim é ridículo. No meu caso, o Miguel foi super planejado, muito esperado e mais ainda amado. Tanto que quando ele nasceu eu parei a minha vida pra viver totalmente esse momento, parei de trabalhar e me dediquei em ser 100% mãe, vivia com o Miguel no colo, deixava tudo e todos por ele, o Miguel sempre foi e será em primeiro lugar  em minha vida, então isso pra mim foi totalmente descartável. Enfim, se sabe apenas que a causa seria uma combinação de fatores ambientais com fatores genéticos.


Sintomas


Os sintomas do autismo podem variar de moderados a grave, e os mais ocorrentes são:
  • Ausência de fala ou dificuldades consideradas na fala
  • Dificuldades de interação social, ou seja, não brinca com crianças da mesma idade
  • Choro ou risadas inapropriadas
  • Sensibilidade a alguns sons
  • Apego a objetos diferentes
  • Brinca ou usa brinquedos de forma incomum
  • Falta de consciência de perigo
  • Hiperatividade ou muita passividade
  • Dificuldade em lidar com alteração de rotina
  • Falta de contato visual
  • Não responde quando chamado pelo nome
  • Faz eco de palavras ou frases (ecolalia)
  • Gostam de objetos que giram
  • Não sabem brincar de faz-de-conta
  • Indica o que quer, levando o adulto pela mão
  • Tem aparente insensibilidade a dor
  • Geralmente não gosta de ser tocado ou abraçado
  • Gosta de rotina e não aceita mudanças
  • Não obedece comandos simples
  • Movimentos estereotipados como balançar-se, rodar em torno de si mesmo, balançar as mãos etc


Esses são alguns e podem variar a cada criança, afinal como já disse não existe um autista igual o outro, depois vou fazer um post contando quais sintomas o Miguel apresenta.

Embora não exista cura, mas algumas pessoas relatam uma melhora bastante significativa a ponto de pouco de notar a espectro na pessoa, as intervenções com terapias incluindo fonoaudiologia, psicologia, fisioterapia, e  terapia ocupacional devem ser feitas intensivamente e iniciado logo após o diagnóstico. Infelizmente no Brasil ainda temos muitos profissionais com pouca capacitação para diagnósticos, já contei que o Miguel passou por 5 pediatras, 1 fono e uma neuro que descartaram o autismo, ainda mais porque alguns sintomas dele são bem diferentes., vou falar mais adiante. Mas ao contrário dessa capacidade profissional, o número de autismo tem sido bem considerável, por isso é tão importante a conscientização, estima-se que no Brasil exista 2 milhões de autista, nos EUA, falam-se em 1 a cada 68 crianças. Em todo mundo seria 1- 2 a cada 1,000, ocorrendo 4 ou 5 vezes mais em meninos do que em meninas.
Como vêem, o autismo está aí, cabe a nós aprender a lidar com tudo isso e melhorar a vida e o convívio de nossos filhos a cada dia.



Fonte de dados numéricos: ASD Data and Statiscs 
Características e definições: Autism (Levy SE) 
Conselho nacional de saúde


1 comentários:

Anônimo disse...

Realmente falta informação até mesmo para quem trabalha na área da saúde.
Estou amando esse blog, pois informações de quem vive na prática o TEA, com certeza enriquecerá a nossa abordagem e forma de ajudar pessoas com o diagnóstico ou que estejam assimilando-o. Parabéns.

Postar um comentário