sábado, 10 de setembro de 2016

Ligado no 220w, a hiperatividade aqui em casa!



Tem dias que a expressão "ligado no 220w" para o Miguel é pouco, o mais correto seria 880w (ou algo assim rsrs). E incrivelmente esses dias parecem ser aqueles em que eu estou mais esgotada fisicamente e só queria um tempinho pra desacelerar. Até o ano passado quando o Miguel começou a ir pra escola, não existia "sentar" pro Miguel, ele assistia a filmes em pé (se podemos dizer que assistia né? porque ele nunca parava pra assistir nada, vinha correndo quando ouvia o diálogo de uma cena preferida no filme e quando acabava a cena já saia correndo) , pegar ele no colo era impossível porque ele não queria ou não conseguia ficar parado. Não existia "Andar", ele só corria, se eu chegasse em um determinado lugar e o soltasse, ele saia em disparada a correr e parece que nem mesmo sabia aonde ia, só queria correr. Quando íamos na igreja era um estresse total porque ele queria ficar correndo pela igreja o tempo todo e eu e meu marido ficávamos quase loucos com tanta agitação. Quando íamos a um shopping ele queria sair em disparada, ir a uma pizzaria era uma missão impossível porque ele não parava 30 segundos. Na minha opinião , naquela época ele era até mais do que hiperativo, era incomum, não sabíamos o que fazer para amenizar.  O cérebro dele parecia não se desligar nunca. dormia pouquíssimo tempo e quando eu digo "pouquíssimo" é muito pouco mesmo, 15 minutos era suficiente pra ele acordar como se tivesse dormido a noite inteira. 

.....



Bom, esse era o Miguel. Depois de toda a minha resistência, acabei pedindo a neuro uma medicação, e essa história eu conto  aqui , e já fui apedrejada algumas vezes por ter optado a medicação, mas aqui em casa ela veio para mudar a qualidade de vida do Miguel e nossa também. De repente o Miguel foi acalmando e os primeiros sinais foram ver ele sentando no sofá para assistir a um filme, claro que não o filme todo, mas já passava bons minutos na sala. O Miguel deixou de ser hiperativo? Na verdade, nem temos um diagnóstico médico de hiperatividade, mas vejo todos os sinais em meu filho e não ele não deixou de ser, como eu disse no começo do texto, tem dias que ele está ligado no 220w ou mais e parece que nesses dias é que eu estou esgotada demais e me pego torcendo pro dia acabar logo e como toda mãe depois me sinto culpada por pensar assim.  Para escrever um post sobre o assunto eu corri pesquisar como sempre faço em livros e na internet sobre a relação da hiperatividade e o autismo, mas não encontrei muita coisa.  Mas qual a definição de Hiperatividade para eu achar que meu filho tem? Recorri ao amigo Dicionário Aurélio pra uma definição simples e rápida, já que  blog não é cientifico e eu gosto sempre de frisar que minha unica especialidade é ser mãe de um autista. 

  • Hiperatividade;  Excesso de atividade. Síndrome que se caracteriza sobretudo por desatenção. Inquietude e impulsividade.


 Não precisa acrescentar nada, o Miguel é uma criança super ansiosa, inquieta, não se concentra muito e sobretudo impulsivo. Com praticamente todas as mães de autistas que eu converso, relatam a mesma coisa, o filho apresenta muita agitação. O Transtorno do Espectro autista e o TDAH (Transtorno Deficit de Atenção e Hiperatividade) são transtornos do neurodesenvolvimento e inicia-se na infância. Embora os sintomas principais de diagnóstico não justificam uma sobreposição, altos índices de comorbidades entre eles tem sido relatados em pesquisas. Anormalidades de atenção (excessivamente focada ou facilmente distraída) são comuns em autistas, assim como a hiperatividade. É necessário porém o reconhecimento para que possa conduzir uma ajuda adequada a essa criança. Cuidar da hiperatividade não significa apenas tratamento com medicação, você com todo amor e atenção, descobrir uma atividade que desperta interesse em seu filho, o Miguel por exemplo, adora brincar no quintal, e lá ele fica horas, e ainda fica muitos minutos sentado em um mesmo lugar concentrado em uma brincadeira. Quando ele está no quintal, fica extremamente calmo.

 Ele continua agitado, porém agora sinto como uma agitação "boa" porque ele fica com curiosidade, aquela agitação para saber mais e aprender mais, para ver algo acontecendo, ficar o filme inteiro sentado assistindo? Se for filme na internet de 30 minutos ele fica e eu já acho super válido, mas querer que ele fique num filme de duas horas pode ser demais até para uma criança típica, criança não gosta de ficar parada, ela é curiosa, quer conhecer tudo, aprender tudo, saber tudo e ver tudo, e não podemos nos esquecer que antes de autistas, nossos filhos são crianças e querem sim explorar tudo a nossa volta. Outro fator que acredito influenciar é que nós mães de crianças especiais tendemos a ser "hiperativas", isso porque sempre temos mil coisas para se fazer em um curto tempo que nos resta quando não estamos cuidando dos nossos filhos, ou enquanto estamos cuidando dos nossos filhos; e a nossa agitação pode ser passada para eles, autistas são muito sensitivos.

Eu acho que eu já era agitada antes mesmo de ter o Miguel, agora então, aprendi a fazer 20 coisas ao mesmo tempo. Crianças hiperativas são desatentas, perdem o foco das atividades facilmente, perdem facilmente objetos e brinquedos, são impulsivas, impacientes, e é aí que entra a preocupação, porque para aprender algo a criança precisa se concentrar e ficar atenta a determinada atividade. Recentemente a escola do Miguel chamou eu e meu marido para falarmos sobre isso, o Miguel não parava sentado pra nada e todos os dias vinha em sua agenda, anotado que ele fez as atividades "parcialmente", e a escola que é especializada e somente para crianças autistas, estava preocupada porque no próximo anos já vão iniciar a alfabetização com o miguel  e sem a concentração, como ele aprenderá? eles queriam então a autorização para um tipo de contenção da cadeira com a mesa (jamais da criança, e sim apenas cadeira com mesa) de uma maneira que dificultasse ele a sair do lugar, autorizamos, e desde então acredito que deu certo e nas anotações da agenda sempre vem que o Miguel realizou toda a atividade proposta.


Crianças autistas e hiperativas precisarão de muita compreensão, apoio, carinho e acima de tudo paciência para que pouco a pouco consigam desenvolver seu dia a dia dentro de maior normalidade possível. Persista sempre, seu filho precisa de sua paciência e persistência e sua recompensa virá a cada passo que seu filho conseguir trilhar com sucesso.


VOCE TAMBEM PODE GOSTAR DISSO:

0 comentários:

Postar um comentário