segunda-feira, 11 de abril de 2016

O autismo é assim, "igual", porém diferente!


Miguel e o seu sorriso lindo! E não é mesmo?
Como eu disse na publicação passada sobre o autismo, não existe duas crianças autistas iguais. Imagino que isso venha dificultar também o diagnóstico e os estudos feitos por cientistas, pelo menos no caso do Miguel imagino que talvez isso tenha sido um dos motivos de diagnóstico tardio, em algumas coisas ele é totalmente ao contrário, ou seja, ele não apresenta alguns sintomas, enquanto em outros se encaixa perfeitamente. Quando começamos a perceber algumas coisas se encaixando no autismo, queremos de todo jeito exaltar as que não se enquadram no espectro, nos dizendo: "Ele não é autista, ele não faz isso... Ou isso é totalmente diferente..."

É muito mais fácil acreditar que é normal o que ele faz, do que ver a realidade que nos mostra que nosso filho é autista, por exemplo, que se não fala é porque tem um atraso na linguagem e nada mais .....