quinta-feira, 19 de maio de 2016

As manias do autismo que mudaram as minhas!




Eu sempre fui uma pessoa que gostava das coisas do meu jeito, minha casa era sempre muito organizada, porque eu sempre aprendi com a minha mãe a deixar tudo muito bem arrumado, afinal ela tem mania de limpar a casa duas vezes por dia,  e eu apesar de não chegar a esse ponto sempre gostei de ver a minha casa limpinha e eu consegui isso até o Miguel nascer rsrs. Assim que ele começou a sentar, engatinhar e andar os brinquedos já começaram a se espalhar pela casa, mas não se compara com a atual situação. Por um tempo eu ainda conseguia manter, ele bagunçava eu ia lá e arrumava até que chegou um dia que eu já não estava mais dando conta e eu tive que parar com a minhas manias, ou eu ia ficar doente por não conseguir mais o que antes eu considerava ideal. E por causa de algumas manias que o Miguel tem por causa do autismo eu tive que mudar algumas minhas, mas vou falar um pouquinho das várias manias transitórias do Miguel.

Eu já contei aqui que o Miguel começou a apresentar sintomas de autismo depois de 1 ano e cinco meses, e algumas manias (se é que podemos chamar assim) que eu nem sabia que eram sintomas de autismo, começaram a ficar presentes depois dessa idade dele.

 A definição de mania segundo o dicionário Aurélio: Mania: Aferro a uma idéia fixa, capricho, teima, desejo imoderado.

Quando falamos de manias no autismo estamos falando de seu comportamento repetitivo, fora do comum e talvez até um pouco "estranho" quando observado por uma pessoa típica.  Não se sabe bem ao certo o porquê de certas "manias" no autismo, alguns defendem a idéia de que, por exemplo, organizar objetos seriam uma forma do autista "organizar" informações no cérebro, mas o que sabemos é que esses comportamentos existem em quase todas as crianças autistas. Umas das primeiras manias do Miguel era virar o carrinho de ponta cabeça e ficar rodando as rodinhas, todos e quaisquer carrinhos ele fazia isso, não brincava convencionalmente como um menino brinca de carrinho, assim que ele pegava o carrinho já virava as rodas para cima e ficava rodando e rodando... Depois ele começou a enfileirar objetos, principalmente garrafas pets, vidros de shampoos e condicionadores, sapatos e até os próprios carrinhos, uma observação interessante é que ele seguia um padrão de raciocínio que nem sempre entendíamos mas os shampoos ele sempre colocava shampoo com shampoo e condicionador com condicionador, não me pergunte como ele sabia diferenciar porque eu não sei te dizer, só sei que ele separava certinho. sempre que enfileirava garrafas pets por exemplo ele separava por tamanho ou cores. Hoje essa mania ele já não tem mais, parece que sempre que uma outra mania começa; a anterior vai embora. Essas manias são fáceis de lidar mas algumas não são muito simples assim. Ele passou por uma fase em que tirava minúsculas bolinhas de algodão das fraldas descartáveis, aquelas com camada de tecido, e ele tirava essas bolinhas e colocava na boca. Foi um bom tempo com essa mania e eu já não sabia mais o que fazer. Graças a Deus essa mania passou.


Passamos pela fase em que ele empurrava a parte de cima cama box do meu quarto para virar um escorregador pra ele, isso sem falar nas manias de subir em cima da mesa, nas janelas, ele queria estar nas alturas, também teve a fase que ele abria todas as portas do guarda-roupa e não podíamos fechar. Outra mania bem chata era colocar a mão na boca para provocar vômito, e ele fazia isso para chamar a atenção, na época  fomos orientados pela terapeuta ocupacional a não demonstrar reação exagerada, ou seja, não gritar na hora, nem mesmo corrigir, fazer de conta que nada aconteceu e ir limpar sem demonstrar reação e isso deu super certo, depois que começamos a ignorar ele parou, acho que ele queria para ele toda aquela atenção que voltávamos na hora em que ele provocava o vômito e depois que seguimos a orientação da terapeuta ele parou.Todas essas manias já passaram atualmente a nova mania e que estamos já a uns 3 meses e eu tive e tenho que ter muita paciência é levar todas as cadeiras da mesa e colocar em cima da minha cama, ele coloca num ordem que eu ainda não consegui entender a lógica, mas ele deixa um espaço entre elas para ele se deitar. Isso ele faz todos os dias, e ele sempre acorda primeiro que eu e meu marido e somos acordados por ele colocando as cadeiras quase que em cima da gente e isso não é nada agradável. O Miguel tem mania também de querer as luzes da  casa toda acesa e passamos o dia todo apagando as luzes que ele insiste em acender; e claro a mania que nunca foi embora é de espalhar os brinquedos pela casa, ele não pode ver os brinquedos na caixa que na mesma hora ele vira a caixa e joga tudo pelo chão, e não é para brincar é para espalhar mesmo, e isso tem explicação. Segundo pesquisas que fiz, ele é uma criança autista sensory seekers (ou seja, busca sensações) e por isso joga todos os brinquedos no chão para olhar para eles. (Vou fazer um post sobre essa parte sensorial posteriormente).


O Miguel adora "arrumar" computadores,
ele estava imitando o papai.
Outra mania que ele está, é de sempre que anda de ônibus ele quer descer pela porta de trás, e se descemos por outra, ele fica o resto do dia chorando, também quer andar pelos cantos da casa e não pelos corredores, passa quase encostando nas paredes e nos móveis, e a última adquirida é colocar fitas adesivas em uma parede da sala.  Aí você me pergunta, Joice, como você reage a essas manias? E eu respondo: com muita paciência... percebemos que lutar contra, nem sempre trazia boas reações, e muitas vezes não resolvia, aliás parecia que quanto mais lutávamos contra mais ele demonstrava resistência, eu apenas estava ficando estressada por não conseguir resolver a situação. Então quem  mudou foi eu, deixei de lado minhas manias de organizações, quem chegar em casa vai ver os brinquedos do Miguel pelo quarto que organizamos apenas quando ele dorme, não me preocupo mais tanto com o que vão pensar e sei que essas manias também vão passar, por isso tento manter a calma e a paciência. Claro que não é nenhuma mania que o coloque em risco, por isso não me preocupo tanto, e é certo que eu queria minha casa impecavelmente organizada mas não fico neurótica pensando no que vão dizer de mim se chegar alguém e ver os brinquedos espalhados.


Mãe, se seu filho tem manias assim, não se estresse, tenha paciência, essas manias passam com o tempo, se você puder resolver algumas, claro faça, mas não fique tão preocupada principalmente com o que as pessoas a sua volta vão dizer. Eu quebro algumas rotinas e fomos orientados pela psicóloga a quebrar algumas rotinas afinal vivemos em sociedade e nem sempre podemos fazer tudo o que queremos pra seguir nossas manias e o Miguel precisa entender isso, como por exemplo algumas vezes descer do ônibus pela porta da frente, para quebrar a rotina de descer pela de trás. Não é fácil, algumas manias podem ser bonitinhas, mas outras são bem diferentes e até estressante mas com muita paciência, amor, paciência, tolerância, (eu já disse paciência?) podemos vencer. No autismo é assim, sempre exige que nós pais tenhamos muita calma, e está aí mais uma coisa que eu aprendi com o autismo, a ter paciência, eu sempre fui uma pessoa muito imediatista e gostava das coisas do meu jeito, hoje eu mudei tanto isso que as vezes até eu me surpreendo comigo mesmo. Perdi algumas manias depois que as manias do meu filho se fizeram presentes em nossa casa; e assim é o amor, uma troca, é resiliência, abrir mão de algo a favor da pessoa que amamos, e por nossos filhos abrimos mão das nossas manias e do que for preciso, só não abrimos mão do nosso amor por eles. Adoro aquela frase que é bem real, ser mãe ou pai de uma criança autista não é fácil, mas eu não trocaria meu filho por isso!




VOCE TAMBEM PODE GOSTAR DISSO: